Fabrício Bruno quer reerguer o Cruzeiro: 'Estou com dor no corpo e no coração'

Sobrou para o garoto Éderson encarar os microfones na zona mista do Mineirão

por Agência Estado

Belo Horizonte, MG, 08 - Poucos jogadores do Cruzeiro passaram na zona mista do estádio do Mineirão após a derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, que decretou o rebaixamento inédito à Série B do Campeonato Brasileiro.

A maioria saiu cabisbaixo e assustado, mas alguns foram exceções e prometeram lutar pela reação do clube em 2020.

"Estou com dor no corpo e no coração. Eu sou daqui de Belo Horizonte e estou mais sentido do que ninguém por tudo que aconteceu. Eu caí e quero subir com o time.

Mas agora estou mesmo arrebentado. Quero ficar com a minha família, descansar e recuperar as energias", comentou o zagueiro Fabrício Bruno, visivelmente abatido.

Fabrício  lamentou a queda do clube em 2019
Fabrício lamentou a queda do clube em 2019

Sobrou para o garoto Éderson encarar os microfones na zona mista. Ele parecia atordoado, mesmo assim não se negou a comentar tudo que viu.

"Estou sem saber o que dizer. Nunca passei por uma situação desta, de ser rebaixado, de tantos protestos e xingamentos da torcida. É um momento difícil na minha vida, do clube e da torcida. Sou atleta do clube e vou dar minha vida pela volta do Cruzeiro à Série A", afirmou.

FRED NÃO FALA
Muito procurado pela imprensa, o atacante Fred não quis dar entrevistas. Ele é apontado como uma das ovelhas negras do elenco, ao lado do meia Thiago Neves e do lateral-direito Edílson.

Ainda no túnel deu para notar que ele estava tranquilo, de cabelo penteado e calção limpo, afinal apenas ficou no banco de reservas e nem entrou em campo.

O colombiano Orejuela, que atuou como lateral-direito na ausência de Edilson, apenas lamentou o ocorrido, também com uma feição bastante assustada.

"É um momento muito triste, mas temos que devolver o Cruzeiro no seu devido lugar", resumiu.